Novo presidente da Câmara de Mauá, Zé Carlos Nova Era fala em mandato propositivo para a população

Os últimos dois meses da carreira política do empresário José Carlos da Silva Martins, o Zé Carlos Nova Era, foram de vitórias. No dia 15 de novembro do ano passado, o então candidato a vereador pelo PL (Partido Liberal) conseguiu se eleger pela primeira vez a uma das 23 cadeiras da Câmara Municipal de Mauá ao contabilizar 2.750 votos. Um mês e meio depois, uma nova votação e mais um triunfo: por 14 votos a 9, ele foi eleito presidente da Câmara Municipal logo em seu mandato de estreia.

Nome de consenso no G14 (aliança formada por 14 dos 23 vereadores municipais) para a disputa da presidência do Legislativo, Zé Carlos Nova Era não vê a si próprio e nem o grupo como oposição ao prefeito Marcelo Oliveira (PT) e sim como um conjunto de parlamentares que desejam trabalhar pelo bem da cidade. “Vamos trabalhar juntos, os 14 vereadores”, afirmou o novo presidente da Câmara, que ressaltou a intenção do bloco de criar comissões para fiscalizar diversas áreas da cidade, especialmente a Saúde.

Além disso, o presidente da Câmara destacou a maior participação popular nos assuntos políticos da cidade, apontando esse como um dos motivos para a grande renovação entre os parlamentares mauaenses.

Em entrevista ao Jornal Opinião Pública logo em seu segundo dia de trabalho como presidente da Casa de Leis mauaense, Zé Carlos Nova Era explicou como pretende trabalhar neste biênio, como o G14 irá trabalhar e como ele analisa a chegada de 16 novos vereadores no município (ele incluso), entre outras questões. 

Jornal Opinião Pública – Esse é seu primeiro mandato na cidade, após você ter tido uma votação expressiva nas eleições. Quais são suas expectativas para esse primeiro mandato? 

Zé Carlos Nova Era – Penso em dar continuidade ao que eu já vinha fazendo. Sou uma pessoa que vinha trabalhando na área social e do esporte de forma bem atuante e mesmo sem mandato. E quero continuar esse trabalho (...). E o meu intuito é esse. Continuar o que já vinha fazendo e trabalhar bastante pelas áreas mais carentes e pelas pessoas que possuem mais necessidades. 

JOP – E logo em seu primeiro mandato você foi eleito para a presidência da Câmara Municipal, um cargo muito importante. Você se sente preparado para esse desafio? 

ZCNE – Tive uma grande experiência, antes de ser vereador, como secretário de Trânsito, uma secretaria de ponta ainda mais em uma cidade que possui 500 mil habitantes. E foi uma experiência muito grande. Acredito que essa será uma experiência nova pra mim e tenho a ciência de que não será fácil. Mas estou estudando, me preparando e tenho a certeza que com a ajuda dos vereadores mais experientes da Casa iremos tocar a Casa da forma mais correta e que vá ajudar o povo. 

JOP – Você já teve alguma conversa com o prefeito Marcelo Oliveira? 

ZCNE – Desde o momento em que fui eleito vereador e depois na posse e quando fui eleito presidente da Casa, em momento algum tive contato com o prefeito Marcelo Oliveira. Ele não nos procurou, o secretário de Governo dele não nos procurou, então até agora não houve nenhuma conversa com o atual governo. 

JOP – Mas vocês estão abertos a esse diálogo... 

ZCNE – Sim, estamos abertos a dialogar. O intuito do grupo G14 foi, desde o início, trabalhar para o povo. Nunca iremos contra a população. Todas as votações que gerem prejuízo ou que sejam impopulares, seremos contra. 

JOP – Então, a princípio, não se trata de uma oposição ao governo. É um grupo que deseja estar ao lado do povo... 

ZCNE – Sim. Desde o momento que fui escolhido como presidente da Câmara, deixei claro que esse grupo não foi criado para ser oposição. É um grupo que estará ao lado do governo a partir do momento que ele apresente coisas voltadas para a população. A partir do momento que você carrega a bandeira de estar ao lado do povo, querendo trazer melhorias e benfeitorias em projetos, você não pode ser oposição. 

JOP – E como o grupo G14 se formou? 

ZCNE – A partir do momento em que fomos eleitos, começamos a falar em renovação. Foram eleitos 16 novos vereadores e uma grande parte ficou nesse grupo. Batemos muito na tecla da renovação, de reconstrução e isso chamou muita atenção. E parte dos novos vereadores eleitos quis participar deste bloco. Porém, sabemos que não conseguimos tocar o Legislativo apenas com pessoas inexperientes, que acabaram de ser eleitos. E para isso, precisamos da experiência de vereadores que já tinham mandato como nos casos do Samuel (Enfermeiro, PSB) e do Ricardinho (da Enfermagem, PSB) e no final com esse gesto do Jacó (Admir Jacomussi, Patriota). Não seria inteligente de nossa parte não aceitar pessoas como essas em nosso projeto. 

JOP – Em relação à infraestrutura da Câmara, vocês já fizeram algum levantamento sobre? Como está o trabalho neste sentido? 

ZCNE – Nesta semana estamos fazendo isso. Estou estudando e me inteirando sobre muitas coisas. Como eu disse, tenho experiência na parte executiva, mas agora no legislativo é uma experiência nova. Estou aqui para dar o meu melhor. Estou conhecendo cada departamento, os funcionários, levantando os contratos, a estrutura... mas temos tudo para fazer uma boa gestão. 

JOP – Voltando um pouco no tema renovação, o quão importante é, na sua visão, a Câmara de Mauá ter 16 novos parlamentares para essa legislatura? 

ZCNE – Quem deu o recado foi o povo. Cabe a nós fazer por onde cada voto recebido. Chegou um momento em que precisávamos de juventude, de pessoas preparadas e que estejam dispostas a ajudar, que queiram se preparar e não ficar sempre na mesma. E o povo já vinha mostrando isso (a intenção de renovar). Na eleição passada nove vereadores novos foram eleitos. Nesta, foram 16, dois terços da Câmara. 

JOP – E você percebia essa vontade durante a campanha? 

ZCNE – Sim, percebemos que as pessoas tiveram mais acesso às informações e eram favoráveis a renovação. Por isso o povo quis essa mudança. E ninguém que foi eleito para esse mandato está isento a isso. Pode ter certeza que quem não fizer um bom trabalho, um bom mandato, vai ter problemas. 

JOP – A população também tem se mostrado cada vez mais atenta a política, ultimamente. É sua intenção como presidente da Câmara de Mauá de também se aproximar mais dos eleitores, por meio das mídias sociais e da imprensa? 

ZCNE – A Câmara precisa ser transparente, clara. A partir do momento em que não podemos ter o público presente em uma sessão por conta da pandemia, precisamos fazer com que as informações sobre o que foi debatido, planejado ou decretado chegue a população. E fazemos isso por meio da mídia, da internet para que as pessoas, a partir do momento que não possam estar aqui, tenham o conhecimento sobre tudo o que foi pautado. 

JOP – Sobre a Covid-19, como a Câmara vai seguir funcionando neste momento e de que forma os vereadores pretendem conversar com o governo sobre ações de prevenção a ela na cidade? 

ZCNE – Estamos seguindo as normas de saúde, fazendo revezamento de funcionários e reduzindo o número de funcionários na Casa. Já os funcionários que estão no grupo de risco estão afastados. Estamos alterando também algumas escalas, para não ficarmos descobertos, mas também pensando em não colocar a vida de ninguém em risco. E estamos aguardando um posicionamento do Executivo para debater em cima desta questão de algum programa contra a Covid-19. 

JOP – E qual sua expectativa para a primeira sessão do ano, no dia 2 de fevereiro? 

ZCNE – Estou bem ansioso. A sessão de posse foi muito legal, mas o que nós mais desejamos e estamos ansiosos é pela primeira sessão, vendo cada um de nossos colegas em suas mesas. Tenho certeza que todos estarão presentes e de que todos estão ansiosos para mostrar nossa cara e nossos projetos para a população e fazer um bom trabalho.

Fonte: http://www.portalopiniaopublica.com.br/noticia/5986/novo-presidente-da-camara-de-maua-ze-carlos-nova-era-fala-em-mandato-propositivo-para-a-populacao.html

Voltar
Estamos esperando por você de Segunda à Sexta Das 8h00 às 17h00
Fone
11 4543.6147 11 98331.0660
-
- -
Av.Papa João XXIIII, 4170 - Sertãozinho - Mauá/SP Copyright © 2015 AEPIS - Todos os direitos reservados.
Siga a AEPIS Nas redes sociais